Terreiro “Aché Ilê Obá”

Nome oficial: Terreiro “Aché Ilê Obá”

Localização:  R. Azor Silva, 77 – CEP 04326-010 – São Paulo, SP

Autor Construtor: 

Data da edificação: Década de 1950

 

Motivo do Tombamento: O refinamento artístico alcançado pela obra, aliado ao apuro técnico do projeto arquitetônico, conferem ao edifício um caráter de excepcionalidade em relação ao conjunto de testemunhos dessa corrente existente no Estado de São Paulo.

Descrição Técnica: Trata-se de um conjunto de edificações que abriga uma estrutura básica dos terreiros brasileiros, tendo como edificação central, o “abaçá” ou barracão de culto, onde se encontra enterrado o “Ariaxé”, (que é um conjunto de objetos, metais e pedras preciosas que simbolizam o axé, ou energia do terreiro) local sagrado, encimado por uma coroa de Xangô, patrono do Ache Ilè Obá. Perimetralmente, as edificações destinadas as diversos orixás, o pegis, e as instalações necessárias à infraestrutura da casa, como cozinha das comidas de Santo, quarto das iniciações (roncó), quarto dos ebômi e acomodações de moradia.

Histórico: Na década de 1950, Caio Egydio de Souza Aranha funda o seu primeiro centro de umbanda no bairro do Brás. O centro chamado de Congregação Espírita “Pai Jerônimo” realizava suas sessões na parte superior de um pequeno sobrado onde os filhos se reuniam. Decorrido algum tempo, Caio Aranha vê-se impedido de trabalhar, pois adoece e então fecha o centro. Nos anos de 1960, recuperado, reabre sua casa no Jabaquara apresentando várias características de nações do Candomblé, não se prendendo apenas aos ritos umbandístico que marcaram o primeiro momento no bairro do Brás.  Preservava-se o ritual de Caboclo ao mesmo tempo que introduzia o Culto aos Orixás.
        Na década de 1970, “Pai” Caio resolve construir uma ampla sede para o seu centro, que recebe o nome de Ache Ilè Obá, em uma homenagem a Xangô, seu Orixá. Toda a comunidade é movimentada para arrecadar fundos para se empregar na construção do novo centro. Pouco tempo após se inaugurado em 1974, aumentou-se o número de filhos e floresceu as relações com outras casas de Santo, o Ache Ilè Obá torna-se um dos principais candomblés da cidade de São Paulo.
        Esse processo de formação do Terreiro Ache Ilè Obá fez desse um espaço de aprimoramento e aperfeiçoamento de culto afro-brasileiro e um espaço de manutenção das tradições religiosas de cultura negra. Portanto, esse espaço é portador de significados simbólicos de valor antropológico e histórico na formação da identidade cultural brasileira.

Referencias:
Processo de tombamento CONDEPHAAT nº 26110/88
Arquicultura Fau- USP

Dados Oficiais do Bem imóvel


Esferas de tombamento: CONDEPHAAT

Áreas de envoltórias:

Dados da Sub-Prefeitura:

Dados do tombamento pelo CIT : 

Nível de tombamento :  Preservação Total 

End. do imóvel: 

End.Official pelo IPTU : 

Resoluções :  22 de 14/08/1990

Diário Official : Poder Executivo, Seção I, 16.08.1990, pg 18

Livro do Tombo:  Inscrição nº 295, p. 74, 19/09/1990

Proprietário atual: Particular

Uso original: Religioso

Uso atual: Religioso

Se você tem mais informações sobre esse imóvel mande através do formulário envio.

Eu recebo as fichas de imóveis, artigos e noticias, valido e logo após público com os respectivos créditos e referências dos colaboradores. Se você quer ser um autor colaborador entre em contato conosco.